Michel Temer violenta os direitos dos povos indígenas para tentar impedir seu próprio julgamento

Nota Pública

O presidente Michel Temer aprovou e mandou publicar no Diário Oficial da União o parecer 001/2017 da Advocacia-Geral da União (AGU), que obriga a administração pública federal a aplicar, a todas as Terras Indígenas do país, condicionantes que o Supremo Tribunal Federal (STF) estabeleceu, em 2009, quando reconheceu a constitucionalidade da demarcação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima. O parecer simula atender uma orientação do STF, mas, na verdade, os ministros da corte já se manifestaram pela não obrigatoriedade da aplicação daquelas condicionantes a outros processos de demarcação.

Importante lembrar que, em 2010, quando a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) apresentou proposta de súmula vinculante sobre o tema, o STF rejeitou o pedido por entender que não seria possível editar uma súmula sobre um tema no qual ainda não havia reiteradas decisões que pudessem demonstrar a consolidação de entendimento sobre o assunto.

A aplicação daquelas condicionantes a outras situações resulta em graves restrições aos direitos dos povos indígenas. Por exemplo, a autorização que o STF deu para a eventual instalação de infraestrutura para a defesa nacional naquela terra indígena de fronteira poderá, com o parecer da AGU, ser aplicada em qualquer outra região para desobrigar governos, concessionárias e empreiteiras a consultar previamente os povos indígenas, na abertura de estradas, instalação de hidrelétricas, linhas de transmissão de energia ou quaisquer outros empreendimentos que poderão impactar as Terras Indígenas.

O parecer pretende institucionalizar e pautar as decisões do STF sobre a tese do “marco temporal”, que restringe o direito às terras que não estivessem ocupadas pelos povos indígenas em 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição. Isso representa uma ampla anistia à remoção forçada de comunidades indígenas praticadas durante a ditadura militar. Decisões do próprio STF rejeitaram mandados de segurança contra demarcações fundamentados nessa tese. O parecer da AGU toma partido numa discussão que ainda está em curso na Suprema Corte para impor restrições administrativas às demarcações de Terras Indígenas e ao usufruto exclusivo dos povos indígenas sobre os recursos naturais dessas áreas.

O parecer aprovado por Temer foi anunciado previamente pelo deputado federal ruralista Luis Carlos Heinze (PP-RS) pouco antes da votação na Câmara do pedido de autorização para que o STF julgue o presidente por corrupção passiva, deixando claro que os direitos dos povos indígenas estão sendo rifados em troca dos votos ruralistas para manter Temer no poder. Heinze é o mesmo parlamentar que, em 2013, afirmou publicamente que índios, quilombolas e gays são “tudo o que não presta”.

As organizações signatárias manifestam o seu veemente repúdio ao parecer 001/2017 da AGU, que será denunciado em todos fóruns e instâncias competentes. Temos consciência dos inúmeros danos que estão sendo causados ao país e a todos os brasileiros na “bacia das almas” desse governo, mas pedimos o apoio dos demais movimentos sociais e da sociedade em geral contra mais esta violência.

Solicitamos ao Ministério Público Federal (MPF) que requeira a suspensão dos efeitos do parecer da AGU, cujas proposições são consideradas inconstitucionais por juristas de renome. Solicitamos, ainda, que o STF ponha fim à manipulação das suas decisões pelo atual governo, a qual tem o objetivo de desobrigar o reconhecimento do direito constitucional dos povos indígenas sobre suas terras e impor restrições aos outros direitos desses povos.

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib)

Articulação dos Povos Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME)

Articulação dos Povos Indígenas do Sudeste (ARPINSUDESTE)

Articulação dos Povos Indígenas do Sul (ARPINSUL)

Grande Assembléia do Povo Guarani (ATY GUASU)

Comissão Guarani Yvyrupa

Conselho do Povo Terena

Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) 

 

Articulação dos Povos Indígenas do Amapá e Norte do Pará (APOIANP)                       

Associação Agroextrativista Puyanawa Barão e Ipiranga (AAPBI)

Associação Apiwtxa Ashaninka

Associação Brasileira de Antropologia (ABA)

Associação do Movimento dos Agentes Agroflorestais Indígenas do Acre (AMAAIAC)

Associação do Povo Arara do Igarapé Humaitá (APAIH) 

Associação dos Povos Indígenas do Rio Envira (OPIRE)

Associação dos Produtores Kaxinawa da Aldeia Paroá (APROKAP)

Associação dos Produtores Kaxinawá da Praia do Carapanã (ASKPA)

Associação Indígena Katxuyana, Kahiana e Tunayana (Aikatuk)

Associação Indígena Nukini (AIN)

Associação Nacional de Ação Indigenista-Bahia (Anai-Bahia)

Associação Sociocultural Yawanawa (ASCY)

Associação Terra Indígena Xingu (ATIX)

Associação Wyty-Catë dos povos Timbira do MA e TO (Wyty-Catë)

Centro de Trabalho Indigenista (CTI)

Comissão Pró-Índio de São Paulo (CPI-SP)

Comissão Pró-índio do Acre (CPI-Acre)

Conselho das Aldeias Wajãpi (APINA)

Conselho Indígena de Roraima (CIR)

Conselho Indigenista Missionário (Cimi)

Federação das Organizações e Comunidades Indígenas do Médio Purus (Focimp)

Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN)

Federação dos Povos Indígenas do Pará

Hutukara Associação Yanomami (HAY)

Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB)

Instituto de Pesquisa e Formação Indígena (Iepe)

Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN)

Instituto Socioambiental (ISA)

Rede de Cooperação Amazônica (RCA)

Operação Amazônia Nativa (Opan)

Organização dos Agricultores Kaxinawá da Colônia 27 (OAKTI)
Organização dos Povos Indígenas Apurina e Jamamadi de Boca do Acre Amazonas  (Opiajbam)                       

Organização dos Povos Indígenas Apurinã e Jamamadi de Pauini (Opiaj)

Organização dos Povos Indígenas do Rio Juruá (OPIRJ)

Organização dos Professores Indígenas do Acre (OPIAC)

Organização Geral Mayuruna (OGM)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s